Skip to Content

Blog

Deep Purple e Lynyrd Skynyrd vêm ao Brasil para shows em SP, Rio e Curitiba

Apresentações acontecem em 12, 13 e 15 de dezembro. Venda de ingressos já começaram.

 

As bandas de rock Deep Purple e Lynyrd Skynyrd virão ao Brasil para três shows em dezembro. Eles tocam nos dias 12 (Curitiba), 13 (São Paulo) e 15 (Rio). As apresentações serão abertas pelo grupo Tesla. A venda de ingressos começa nesta quarta-feira (24).

 

Curitiba

  • Quando: Terça-feira, 12 de dezembro, às 19h
  • Onde: Pedreira Paulo Leminski – Rua João Gava, 970, Abranches
  • Preço: R$ 290 (pista), R$ 580 (pista premium) e R$ 660 (camarote). Há meia-entrada

São Paulo

  • Quando: Quarta-feira, 13 de dezembro, às 19h
  • Onde: Allianz Parque – Rua Turiassú, 1840, Perdizes
  • Preço: R$ 260 (arquibancada superior), R$ 290 (pista), R$ 390 (arquibancada inferior) e R$ 580 (pista premium). Há meia-entrada

Rio de Janeiro

  • Quando: Sexta-feira, 15 de dezembro, às 19h30
  • Onde: Jeunesse Arena – Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3401, Barra da Tijuca
  • Preço: R$ 250 (cadeira superior), R$ 280 (cadeira central), R$ 310 (pista), R$ 350 (cadeira lateral) e R$ 580 (pista premium). Há meia-entrada

A compra de entradas pode ser feita pela internet, no site da produtora Time 4 Fun, nas bilheterias oficiais e em outros pontos de venda espalhados pelo país. Leia mais aqui.

Monstros sagrados

Com quase 50 anos de carreira, o Deep Purple retorna ao Brasil após 3 anos para promover seu 20º álbum, “Infinite”, lançado em 2017. As apresentações fazem parte da turnê “The long goodbye tour” e o grupo vem com a formação: Ian Gillan (vocal), Ian Paice (bateria), Roger Glover (baixo), Steve Morse (guitarra) e Don Airey (teclado).

 

Já o Lynyrd Skynyrd volta ao país depois de 6 anos da sua primeira visita. Dona do hit “Sweet home Alabama”, a banda tem na formação: Gary Rossington (guitarra), Johnny Van Zant (vocal), Rickey Medlocke (guitarra e backing vocal), Mark “Sparky” Matejka (guitarra, backing vocals), Michael Cartellone (bateria), Johnny Colt (baixo), Peter Keys (teclado), Dale Krantz Rossington (backing vocals) e Carol Chase (backing vocals).

Fonte: G1.com.br

Ronnie Wood, guitarrista dos Rolling Stones, passa por cirurgia no pulmão

O guitarrista Ronnie Wood, dos Rolling Stones, passou por uma cirurgia devido a uma pequena lesão no pulmão, mas está se sentindo bem, disse seu representante.

Wood, de 69 anos, não irá precisar de tratamentos adicionais e a próxima turnê europeia dos Rolling Stones não será afetada, afirmou o representante em comunicado em Londres.

“Sou muito grato pelas avaliações modernas que perceberam isto tão cedo e gostaria de agradecer todos os médicos que me trataram”, disse Wood.

O comunicado informou que a lesão foi encontrada durante exame médico de rotina e que foi tratada por cirurgia guiada. Não estava claro se a lesão era benigna ou maligna.

Os Rolling Stones devem dar início à turnê europeia “No Filter” em Hamburgo, na Alemanha, em 9 de setembro.

Fonte: G1.com.br

Morre, aos 62 anos, Kid Vinil, um dos expoentes do rock brasileiro

Kid Vinil estava internado há mais de um mês.

Foi confirmada na tarde desta sexta-feira (19) que Antônio Carlos Senefonte, o Kid Vinil, faleceu após mais de um mês internado. Luiz Thunderbird‏, amigo do músico e radialista, confirmou a informação pelo Twitter.

Kid Vinil iniciou sua carreira na música no início dos anos 80, tocando na banda Verminose. Foi um dos precurssores do movimento punk de São Paulo, organizou shows e também divulgou conteúdo deste segmento em seu programa de rádio també nos anos 80. Ainda no mesmo período ficou conhecido por seu trabalho como vocalista do grupo Magazine com músicas como “Tic Tic Nervoso”, “A Gata Comeu”, “Sou Boy” ente outras.

Na TV participou de programas como Boca Livre, na TV Cultura, e Som Pop. Foi apresentado a uma nova geração ao se tornar VJ da MTV com o programa Lado B em que mostrava clipes de grupos fora do circuito pop. Em 2005, depois de encerrar as atividades com a Magazine, iniciou a banda Kid Vinil Xperience e lançou, em 2010, um disco de covers. Em 2008, lançou o livro Almanaque do Rock que relata a trajetória do rock, começando pelos anos 50 até os dias de hoje.

 

Fonte: omelete.com.br

Comédia “Como ter Sexo a vida toda com a mesma pessoa” volta ao Teatro Fernanda Montenegro

O espetáculo que em setembro do ano passado se apresentou em Curitiba volta para três sessões nos dias 26, 27 e 28 de maio.

Espetáculo que completou dois anos em cartaz em São Paulo, volta à Curitiba após sessões esgotadas em setembro do ano passado, desta vez, a comédia “Como Ter Sexo a Vida Toda Com a Mesma Pessoa” fará três sessões em Curitiba, nos dias 26, 27 e 28 de Maio no Teatro Fernanda Montenegro.

Dirigida por Odilon Wagner, a atriz Tânia Bondezan dá vida à personagem divertida, chamada Annetta Poché, sexóloga búlgara formada na Sorbonne, que introduz ao público técnicas para a vida sexual dos casais, dando receitas insólitas para superar as diversas crises que acontecem ao longo de anos de convivência.

Com a sua técnica revolucionária, a sexóloga ensina a manter o fogo de um relacionamento com uma única pessoa. A intenção é levar à reflexão sobre sexualidade longe do medo, culpa e vergonha.

O espetáculo é sucesso de público na Argentina, onde também está em cartaz há mais de 10 anos. A história se passa numa conferência, por isso é utilizado data-show e os temas são abordados pelo lado científico, mas traduzidos com humor ao público.

Os ingressos estão à venda pela Diskingressos e na bilheteria do Teatro Fernanda Montenegro, custando R$ 42,50 a meia entrada e R$ 85,00 a inteira.

É possível também comprar pela internet ou pelo call center: (41) 3315-0808

Serviço:
COMO TER SEXO A VIDA TODA COM A MESMA PESSOA

Dias 26, 27 e 28 de Maio
Sexta e Sábado às 21h
Domingo às 19h
Teatro Fernanda Montenegro – Shopping Novo Batel
Al. Dom Pedro II, 255 – Batel
Duração: 70 minutos
Gênero: Comédia
Classificação: 16 anosValor do ingresso R$ 85,00 inteira R$42,50 Meia
Meia para estudantes, professores, idosos acima de 60 anos e Doador de sangue
Clube Gazeta do Povo, OAB, Associação Colíbri e funcionários COPEL têm 50% de desconto no valor da inteira (até dois ingressos por cliente)
Vendas na bilheteria do teatro e pontos de venda Diskingressos (Shopping Mueller, Estação, Palladium, Crystal e Teatro Guaíra)
Horário de Funcionamento da bilheteria
das 10:00 até as 18:20 exceto no dia do evento que funcionará normalmente até a hora do espetáculo.
Online: http://www.diskingressos.com.br/grupo/456
Mais informações: (41) 3224-4986

 

Chris Cornell morre aos 52 anos

Chris Cornell, vocalista das bandas Soundgarden e Audioslave, morreu na noite desta quarta-feira (17), em Detroit, aos 52 anos de idade.

A informação foi confirmada pelo representante de Cornell, Brian Bumbery, para a Associated Press. Segundo ele, a morte do músico foi “repentina e inesperada”, e nenhuma causa foi dada até o momento.

Bumbery acrescentou que a família de Cornell pediu privacidade e está acompanhando os detalhes médicos para determinar a causa da morte.

Cornell havia realizado na noite desta quarta um show completo com 20 músicas do Soundgarden no Fox Theatre.

Paul McCartney revela personagem dele no novo Piratas do Caribe

O cantor e compositor deve interpretar um guarda de prisão no quinto filme da saga estrelada por Johnny Depp.

Paul McCartney, que gravou uma participação no filme Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar, revelou o personagem dele por meio de uma publicação no Instagram no último sábado, 13.

Em uma imagem promocional com a legenda “#Pirates Life” (“vida de pirata”, em tradução livre), McCartney é visto de cabelo comprido e escuro, além de maquiagem pesada nos olhos e uma bandana por baixo do desgastado chapéu de pirata. O baixista também segura uma cartas na mão enquanto dirige o olhar ameaçador à câmera.

McCartney não é o primeiro músico a se juntar ao elenco da franquia de Johnny Depp: Keith Richards, dos Rolling Stones, já interpretou o Capitão Teague, o pai do Jack Sparrow de Depp, em dois filmes do Piratas do Caribe.

Apesar de McCartney não ter dado indícios do papel que fará no longa, o site E! Online afirmou que a lista do elenco revelava que o ex-Beatle interpretará um guarda de prisão. Segundo o Deadline, em março de 2016, “grande cena extra” de McCartney foi filmada após a produção ter sido finalizada para acrescentar a participação do cantor ao filme.

Embora Paul tenha feito aparições e participações especiais em séries como BoJack Horseman (voz), da Netflix, e 30 Rock, é a primeira vez em 30 anos que ele aparece em um longa-metragem. A última vez foi na comédia de humor negro Comendo os Ricos.

Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar chega aos cinemas em 26 de maio.

 

fonte:rollingstone.uol.com.br

Metallica apresenta versão perversa de “Now That We’re Dead”.

Banda fez uma parada no programa para tocar o single deHardwired … to Self-Destruct em meio a turnê pelos Estados Unidos.

O Metallica apresentou uma versão brutal e incendiária de “Now That We’re Dead” no The Late Show With Stephen Colbert, da emissora norte-americana CBS, na última segunda, 15. O single aparece em Hardwired … to Self-Destruct, último álbum duplo da banda.

O vocalista James Hetfield abriu a performance com o mesmo aviso dado no último show do Metallica em Baltimore, nos Estados Unidos: “Se você quer viver para sempre, então você precisa morrer antes.” “Now That We’re Dead” começou lenta, com a banda circulando por uma série de riffs baixos durante um minuto inteiro, antes de Hetfield pegar o microfone. O baixista Robert Trujillo se juntou à Hetfield para cantar partes do refrão, enquanto o guitarrista Kirk Hammett se encarregou de um pesado solo de guitarra.

O Metallica, que passou pelo Brasil neste ano, com uma apresentação no Lollapalooza, em março, começou a parte norte-americana da WorldWired Tour em Baltimore, na última quarta-feira, 10. Esta é a primeira grande série de apresentações da banda pelos Estados Unidos desde 2009.

Hardwired … to Self-Destruct foi lançado em novembro do ano passado. O disco foi o sexto do grupo a alcançar o 1º lugar na parada de álbuns dos Estados Unidos, com 291 mil cópias vendidas durante a primeira semana.

Veja o vídeo da performance do Metallica no The Late Show abaixo.

 

Fonte: rollingstone.uol.com.br

Alien: Covenant

Ridley Scott retorna ao universo que criou com ALIEN: COVENANT, um novo capítulo em sua inovadora franquia ALIEN. A tripulação do navio-colônia Covenant, ligada a um remoto planeta no lado distante da galáxia, descobre o que eles acham que é um paraíso inexplorado, mas na verdade é um mundo escuro e perigoso. Quando descobrem uma ameaça além de sua imaginação, devem tentar uma fuga angustiante.

Show: Rhapsody

RHAPSODY CURITIBA 12.05.2017 – 20TH ANNIVERSARY FAREWELL TOUR

Por Eliandro Santana 

 

Os italianos do RHAPSODY desembarcaram em Curitiba para a tour de comemoração dos 20 anos de carreira, mas que também foi anunciada como a despedida do grupo dos palcos.

A abertura da noite na Ópera de Arame ficou a cargo do grupo Curitibano DEVILSIN, que durante aproximadamente 45 minutos apresentou um heavy tradicional na linha Accept, com destaque para o vocalista Kevan Gillies, o “tiozão” com timbre vocal que em muitos momentos lembrou Cronos(Venom) esbanjou tranquilidade e teve o público “na mão” durante todo o ser.

 

Por volta de 21 horas, as luzes se apagaram para o início da noitada épica, e a intro “Epicus Furor” emendou a espetacular “Emerald Sword”, com seu refrão que estremeceu o gelado teatro.

 

Depois “Wisdom of the Kings” deu aquela sequência com outro refrão belíssimo, em seguida o início de “Eternal Glory” fez todos imaginarem o Rei chegando, mas o que veio era sim mais um grande som do disco de 1998.

 

Fábio Lione saudou em bom português a plateia e anunciou “Knightrider of Doom”, do álbum “Power of Dragonflame”, o que mandou por terra a expectativa inicial de que “Symphony…” seria executado na íntegra.

Mas foi na verdade uma breve fugida daquela suposta programação, pois as músicas a seguir foram “Wings of Destiny”(belíssima balada, que ao vivo ficou ainda melhor), “The Dark Tower of Abyss (que segundo Lione nesta tour estava sendo executada pela 1a vez ao vivo) e “Riding the Winds of Eternity”.

 

A próxima, sim “Symphony of Enchanted Lands” foi o momento que Fabio Lione “deitou”(gíria futebolística na veia), o cara simplesmente arrebentou. Impressionante a capacidade e a variação dos vocais deste cidadão.

Após os quase 10 minutos da grande (grande mesmo) música, chegou a vez do solo de Alex Holzwarth, deu aquele tradicional descanso aos demais, e o rapaz da bandana demoliu a batera impiedosamente.

 

O primeiro album da banda: “Legendary Tales”, infelizmente foi escanteado no set dessa tour, e “Land of Immortals” foi a única executada daquele que é, sem sombra de dúvidas, o grande álbum dos caras.

Tivemos ainda a mais fria da noite “The Wizard’s Last Rhymes”, que não empolgou.

 

Solos geralmente são desnecessários,mas o baixista Patrice Guers fez do seu momento, que foi acompanhado pelo batera, um trabalho muito legal.

Mas a noite era de Lione, e encerrando a primeira parte do show “Dawn of Victory” que foi uma das melhores da night, destaque para as acrobacias de Luca Turilli e a performance de Dominique Leurquin nas guitarras.

 

Após breve pausa, o retorno foi com a rápida “Rain of a Thousand Flames” que foi seguida pela lenta “Lamento Eroico”.

O fechamento aconteceu de maneira… grandiosa (ou seria épica?) com “Holy Thunderforce”, outra faixa de “Dawn of Victory”.

Se realmente foi a tour de adeus, os italianos se despediram dos fãs curitibanos com uma grande apresentação, que certamente vai deixar saudades aos muitos presentes. “…for the King, for the land, for the mountains…”

RHAPSODY – SET LIST

  1. Epicus Furor
  2. Emerald Sword
  3. Wisdom of the Kings
  4. Eternal Glory
  5. Beyond the Gates of Infinity
  6. Knightrider of Doom
  7. Wings of Destiny
  8. The Dark Tower of Abyss
  9. Riding the Winds of Eternity
  10. Symphony of Enchanted Lands
  11. Drum Solo
  12. Land of Immortals
  13. The Wizard’s Last Rhymes
  14. Bass Solo
  15. Dawn of Victory

Bis

  1. Rain of a Thousand Flames
  2. Lamento Eroico
  3. Holy Thunderforce

Show: Sonata Arctica

Por Redação / Eliandro Santana

Os finlandeses do SONATA ARCTICA vieram a Curitiba divulgar “Ninth Hour”, nono (!) disco de estúdio do grupo, o show aconteceu no Hermes Bar, ótimo local para eventos desse porte.

 

Ankhy

A abertura da noite ficou por conta de mais uma surpresa agradável deste celeiro do Metal Nacional chamado Curitiba: ANKHY, que subiu ao palco às 19:45 apresentando repertório variado e apostando numa mescla de metal tradicional, melódico, trash e até death metal melódico na linha Children of Bodom. Comprovando a variedade de estilo, o fechamento dos guris veio com o Cover “Carry On” do Angra, e o vocalista Matheus Motta mandou bem.

 

Pontualmente às 21 horas os branquelos vindos do norte Europeu iniciaram com a nova “Closer to an Animal” seguida de “Life”, também de “Ninth Hour”.

Tony Kakko e sua trupe tem, na humilde opinião deste que vos escreve uma característica que é deixar de lado grandes temas e manter músicas pouco empolgantes nos sets ao longo das turnês. E desta feita infelizmente não foi diferente, pois ótimas musicas interessantes ficaram de fora do set. Claro, opinião cada um tem a sua, mas alguns casos ficaram claros em mais esta passagem da banda por aqui.

 

A terceira da noite foi apresentada pelo tecladista Henrik Klingenberg: “Wolves die Young”, faixa de abertura de “Pariah´s Child”, de 2014. Esta foi seguida de “In Black and White”, do fraco “Unia”, de 2007.

Aí chegou o momento de dar aquele suspiro, pois veio a baladinha “Tallulah”, que (lá vamos nós) poderia ser facilmente substituída por “Misery”, por exemplo. Não que seja uma musica ruim, pelo contrário, mas ao vivo não vinga.

A próxima a ser executada foi a bacana “Fairytale”, uma das melhores do novo álbum. O interessante foi notar que grande parte da plateia, aliás, formada por jovens em sua grande maioria cantava as músicas do novo trabalho.

 

Coincidentemente (ou não), dois grandes momentos do show foram com temas “das antigas”, primeiro com “Fullmoon” do álbum de estreia do grupo: “Ecliptica”, e na sequência “Abandoned, Pleased, Brainwashed, Exploited”, do 3ª (e melhor) disco Winterheart’s Guild, de 2003, trabalho que, aliás, exemplifica perfeitamente o que citamos no início, pois contém ótimos temas que não são executados pela banda.

Depois, outro momento que pode se julgar desnecessário com a insossa “We are what we are”, outra novidade, mas que não justifica a presença no show.

Uma pausa e logo após finalmente o guitarrista Elias Viljanen se “apresentou”, afinal talento ele tem, mas ao vivo a proposta do Sonata (somada à limitação da equipe técnica da banda) digamos, não valorizou esse ponto, com o som da guitarra estando abafado em muitos momentos da apresentação.

Entra tour e sai tour do Sonata e “The Power of One”, está lá no set. Outra musica fraca, esta do segundo trabalho dos caras: o horrível “Silence”. E com esta a primeira parte do show estava concluída.

 

Após breve pausa, antes do bis Tony Kakko fez um discurso agradecendo a moçada presente, aí veio a maneiríssima “Misplaced” (me identifico com a parte que diz “i’m a misplaced mannn”), que foi seguida da engraçada “I Have Right, com seu refrão grudento e a letra no melhor estilo “Direitos Humanos”. O “tchau geral” veio com “Don’t Say a Word”, outra inexplicavelmente intocável dos sets do Sonata, e que fechou aquela noite que poderia ser, mas não foi.

Ah, claro teve sim o hino “Vodka”… Mas fica a pergunta no ar: cadê “The cage” deste final? Os finlandeses devem ter a resposta, porque no palco não foi dada.

Sonata Arctica – Set list

  1. Closer To An Animal
  2. Life
  3. Wolves Die Young
  4. In Black and White
  5. Tallulah
  6. Fairytale
  7. Fullmoon
  8. Among The Shooting Stars
  9. Abandoned, Pleased, Brainwashed, Exploited
  10. We Are What We Are
  11. The Power of One

Bis

  1. Misplaced
  2. I Have a Right
  3. Don´t Say a Word

Roger Waters lança “Déjà Vu”, de seu próximo disco solo

Menos de um mês antes de Roger Waters lançar o primeiro disco de rock em 25 anos, o ex-baixista do Pink Floyd revelou mais uma música nova, “Déjà Vu”. O novo álbum, produzido por Nigel Godrich, chama-se Is This the Life We Really Want? e será lançado no dia 2 de junho.

“Déjà Vu” conjura a temática familiar do passado do Pink Floyd, desde a sutil batida de Dark Side of the Moon sob as cordas até às gravações de guerra no estilo musique concrete. A faixa também lembra a era de Waters após o Pink Floyd, com baladas como “The Final Cut” e “Fletcher Memorial Home”.

“If I was a drone/ Patrolling from the skies/ With my electric eyes for guidance/ And the element of surprise”, Waters canta na balada. “I wouldn’t be afraid to find someone home/ Maybe a woman at a stove, baking bread, making rice, but just boiling down some bones/ If I were a drone.”

“Déjà Vu” é a segunda canção que Waters soltou, após a igualmente nostálgica “Smell the Roses”. No dia 26 de maio, pouco antes do lançamento oficial do disco, Waters embarca na turnê Us + Them pela América do Norte.

Fonte: Rollinstone.uol.com.br

Álbum da banda Dead Fish é relançado em vinil verde

Álbum mais cultuado da fase inicial da discografia da banda capixaba de hardcore Dead Fish, Sonho médio está sendo relançado no formato original de LP. A capa criada por Alex Vieira é ligeiramente diferente da capa da edição original posta no mercado fonográfico em 1999 pela gravadora independente Terceiro Mundo Produções Fonográficas – criada pelo próprio Dead Fish para editar o segundo álbum do grupo, em atividade desde 1991.


Já as 14 músicas são as mesmas. De todo modo, o disco foi remasterizado por Fernando Sanches no estúdio paulistano El Rocha para esta reedição em vinil de 180 gramas e de cor verde. Sonho médio sai (novamente) em LP através de parceria gravadora Hearts Bleed Blue (HBB) com a Läjä Records e com o selo DFSTR Records.
(Crédito da imagem: capa da reedição em vinil do álbum Sonho médio, do Dead Fish)

 

Fonte: G1

title_goes_here