Em formato on-line, os participantes serão convidados a descobrir linguagens híbridas que podem ser criadas na literatura.

Uma oficina pensada para despertar o interesse pelas diferentes linguagens que são possíveis agregar à literatura. Elaborado pelo escritor, editor e professor Paulo Sandrini e pelo artista sonoro Marcelo Bressanin, “Ler, interpretar, escrever, sonorizar: oficina de análise e criação literária” é um projeto interativo voltado às questões de leitura, análise e produção de textos literários (formação de escritores) no gênero ‘conto’, e aos processos de ativação da escuta e de interpretação sonora dos textos literários. Também é objetivo que os participantes produzam materiais por meio da criação de peças sonoras de curta duração e de livre formato (musicais, abstratos, com ou sem vocalização).

Artista sonoro Marcelo Bressanin

Inicialmente, os encontros foram propostos para acontecer presencialmente, mas, devido à pandemia da Covid-19, que tem como premissa básica a não aglomeração de pessoas como forma de evitar o contágio, o formato foi alterado para ser realizado on-line, através da plataforma Google Meet. Serão ofertadas 30 vagas gratuitas – para pessoas acima de 18 anos e residentes em Curitiba – que participarão dos dois módulos: 1) oficina de análise e criação e 2) oficina de criação sonora.

Escritor, editor e professor Paulo Sandrini

Para ambas as oficinas não é necessário ser escritor ou músico, mas sim, demonstrar interesse nos processos de leitura, análise e criação, bem como na interface entre literatura e outras linguagens. As oficinas acontecerão 1 vez por semana e cada módulo terá 12 encontros, totalizando 24 ao longo de seis meses, numa carga que ocupará 48 horas. Todos os participantes receberão certificados mediante 80% de frequência em todo o projeto.

Além das oficinas, o projeto terá, ao final, como forma de registro e ampliação do acesso e alcance, a publicação dos resultados em livro (para os contos), e no blog do projeto e Youtube (para as peças sonoras). Contudo, a publicação em livro e plataformas digitais só ocorrerá mediante avaliação do Grupo de Avaliação do Produto Literário, com vistas a garantir a qualidade da produção.

As inscrições vão de 10 a 20 de abril através do link https://escreversonorizar.wordpress.com/. Para concorrer a uma das 30 vagas, o participante deverá inserir na ficha de inscrição um texto narrativo sobre qualquer assunto, que será enviado para avaliação e seleção. O resultado dos selecionados será comunicado por e-mail e também através do link acima. Outro canal de comunicação será a página no Facebook: https://www.facebook.com/Oficina-EscreverSonorizar-105521848315373/ onde estarão disponibilizadas informações atualizadas periodicamente. Os encontros terão início no mês de maio e, ao final da oficina, a produção dos participantes virá registrada em um livro, como forma de fortalecer o legado do projeto.

“Ler, interpretar, escrever, sonorizar: oficina de análise e criação literária” é um projeto realizado com recursos do Programa de Apoio de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba e com o incentivo da Cibraco Imóveis, Kronberg Leilões, Baggio Imóveis.

Fizemos uma entrevista com os ministrantes da Oficina, confira:
ENTREVISTA1. Paulo, pode dar um panorama de como funcionará a dinâmica do seu módulo, mecânica e produtos resultantes?
Nessa oficina, vou ministrar o módulo de análise e criação literária, que é dividido em três eixos: leituras teóricas sobre o gênero conto e sobre a narrativa de ficção em geral (foco narrativo, personagem, tempo, espaço, enredo, ação, conteúdo/forma); leitura e análise de textos literários (de autores como Edgar Alan Poe, Julio Cortázar, Jorge Luis Borges, Anton Tchékov entre outros); e prática do texto criativo. Portanto, não é apenas um curso de formação de escritores, mas também de aprimoramento de leitura no gênero ficcional e aquisições teóricas no campo da literatura. Ao final, faremos a seleção dos textos que irão ser trabalhados no módulo de criação sonora, com Marcelo Bressanin, e pretendemos publicar em livro uma coletânea com os melhores contos escritos pelos participantes.

2. Pode falar um pouco da sua trajetória como escritor?
Minha trajetória no campo da literatura se inicia na década de 1990 com a escrita dos primeiros textos e com a participação nos primeiros concursos literários. No começo dos anos 2000, publiquei meu primeiro livro de forma independente e a partir daí começaram os convites para a publicação dos meus textos em livros, revistas e sites de literatura. Em 2003, lancei meu segundo livro de contos “O estranho hábito de dormir em pé”; em 2005, o terceiro, “Códice d´incríveis objetos”, até chegar ao romance “Peixes coloridos de alto-mar”, de 2017. Durantes esses anos, também, cursei mestrado e doutorado em Estudos Literários e iniciei uma carreira de editor com a Kafka Edições, além de ter feito algumas curadorias para eventos de literatura e ministrado várias oficinas de criação. No final de 2020, fui contemplado com o prêmio Outras Palavras pela escrita do romance “Santa Bula de Todos os Remédios”.

1. Marcelo, e seu módulo, qual será o formato e o que pretende como resultados?
O módulo do projeto voltados à criação sonora se dividem em duas frentes: num primeiro momento serão apresentados aos participantes conceitos e artistas importantes na área de arte sonora e, em seguida, no segundo módulo, o público será orientado a criar suas próprias peças sonoras a partir dos conteúdos literários que desenvolveram com Paulo Sandrini. Espera-se, ao final do processo, que cada participante elabore seu próprio material sonoro autoral a partir da coleta de amostras sonoras e da edição destes materiais por meio de recursos variados.

2. Pode nos contar sobre sua caminhada como artista sonoro?
Desde 2010, atuo como artista conceitual e dedico minhas pesquisas à arte sonora e a suas relações com outras linguagens, em performances, instalações e outros formatos. Participei dos programas de residência artística Em Residência: Bauru (Bauru 2020), Organicidades (Franco da Rocha, 2019) Toda la teoria del universo (Chile, out/nov 2018), Soy loco por ti Juquery (São Paulo, junho/2018) e La Ira de Dios (Buenos Aires),  Residência de Criação TSONAMI de Arte Sonora (Chile, nov/dez 2017) e Obras em construção (Casa das Caldeiras, São Paulo, 2015). Em 2016 realizei minha primeira colaboração internacional com o artista chileno Cristian Espinoza, no projeto Corredor Eletromagnético Paulista, financiado pelo Fondo Nacional de Desarollo Cultural y las Artes – FONDART (Chile).