Exibição do filme no festival de Veneza teve oito minutos de aplausos.

Coringa, dirigido por Todd Phillips e estrelado por Joaquin Phoenix, é o primeiro filme da DC a ser exibido no Festival de Cinema de Veneza, e parece que a jogada ousada foi um sucesso. O filme colecionou elogios, e os comentários sobre possíveis indicações à categoria de melhor ator do Oscar, entre outrios.

A crítica especializada publicou uma variedade de comentários positivos diferentes. Alguns veículos, como o Deadline, chamaram Coringa de “obra de arte” e apontaram as críticas sociais presentes no filme: “Fala sobre o mundo no qual vivemos hoje de maneiras que poucas produções são capazes”.

Outros, como o Hollywood Reporter, apontaram Phoenix como o ponto alto do filme, com sua interpretação sendo “perturbadora e estranhamente comovente”. A Empire disse que Coringa “reimaginou o próprio gênero de filme baseado em personagem de histórias em quadrinhos”.

Já Time disse que Coringa tenta criticar o vazio de nossa cultura ocidental, e, em vez disso, tornou-se um exemplo desse vazio. Também foi criticado o trabalho de Phoenix, pontuando que o ele “ atua com desespero”, como em um exagero para que o filme seja comentado.
As inevitáveis comparações com o Coringa de Heath Ledger em Batman:O Cavaleiro das Trevas (de 2008) chegaram, e a Forbes diz que Phoenix apresenta um “retrato que se equipara e potencialmente supera” a performance vencedora de Oscar de Ledger. Foram traçadas similaridades com vários clássicos de Scorsese como Taxi Driver e O Rei da Comédia.
Fonte: Revista Rolling Stone Brasil
 

Ouça e curta a 91 ROCK