Jethro Tull

A banda Jethro Tull foi formada na cidade inglesa de Blackpool, em 1967. Nos primórdios, o líder da banda, Ian Anderson, foi relegado ao piano, pois Mick Abrahams ficou responsável pelas guitarras e vocais do grupo. Após lançar alguns compactos sem muita repercussaão, o grupo gravou em 1968 o álbum This Was, que contava principalmente com parcerias na composição de Anderson e Abrahams. Por isto, o trabalho, já com os vocais de Ian Anderson, veio com bastante influência de blues, e apesar disto, teve boas vendas. Logo após o lançamento, Mick Abrahams deixou a banda, e em seu lugar entrou Martin Barre, que ficou até os últimos momentos do Jethro Tull. Antes da troca de guitarristas, o futuro Black Sabbath Tony Iommi tocou com grupo, mas saiu poucas semanas depois.

Contando com um novo guitarrista, Martin Barre, o Jethro Tull lançou em 69 o álbum Stand Up, composto totalmente por Ian Anderson. A única exceção ficou com Bouree, adaptação de uma composição de Sebastian Bach. Um ano depois, com John Evan nos teclados, a banda lançou Benefit. Após sair do Jethro Tull, o guitarrista Mick Abrahams formou o Blodwyn Pig, com o qual lançou dois discos. Nos anos 90, ele tocou com o This Was, banda que levava o mesmo nome do primeiro disco do Jethro Tull, e contava com todos os ex-integrantes desta banda. Apesar da polêmica, Ian Anderson não se incomodou, e até convidou o guitarrista para alguns shows do Jethro Tull.

Após algumas mudanças de formação, o Jethro Tull lançou na sequência seus dois discos mais famosos e influentes: em 1971 chegava as lojas Aqualung, tendo como grande êxito a faixa título, a mais famosa composição do grupo. Um ano depois, era lançado o álbum conceitual Thick As A Brick. O trabalho, uma verdadeira obra prima do Rock progressivo, marcou época devido ao ser formato, afinal, contava apenas com uma música, com o mesmo nome do álbum. Ela foi dividida em duas partes, para caber nos dois lados do vinil. O disco foi um grande sucesso comercial, chegando a primeira posição das paradas britânicas. Ainda em 1972, o Jethro Tull lançou a compilação Living In The Past, com faixas ao vivo e sobras de estúdio.

Durante a década de setenta, o Jethro Tull, após o sucesso estrondoso de Thick As A Brick, lançou outros álbuns conceituais, que tiveram boa recepção do público, mas receberam criticas negativas por parte da imprensa. Repetindo a fórmula, em 73 lançaram A Passion Play, outro trabalho com apenas uma única e gigantesca música. Após War Child e Minstrel in the Gallery, outro disco conceitual foi lançado pelo Jethro Tull, Too Old to Rock And Roll, Too Young to Die!, em 1976. Após mais alguns trabalhos, Ian Anderson decidiu graver um album solo, mas por pressão da gravadora, A acabou chegando as lojas como um disco do Jethro Tull. A sonoridade mostrava os primeiros flertes de Anderson com elementos eletrônicos.

Em 1984, após gravar mais um trabalho com influências modernas, Under Wraps, o Jethro Tull resolveu dar um tempo, que durou três anos. Durante este período, Ian Anderson deu sequência a uma bem sucedida carreira como criador de salmão. O álbum Crest Of A Knave pôs fim ao hiato, e deu ao grupo o seu prêmio mais controverso. Em 88, o Jethro Tull foi agraciado com o Grammy de melhor performance de Rock e Heavy Metal, batendo os grandes favoritos do Metallica. A polêmica veio pois o grupo não era considerado um grupo de Rock pesado e muito menos Heavy Metal pela maioria das pessoas. A banda entrou nos anos 90 lançando discos que mostravam um resgate da sonoridade folk usada no início de carreira. Fique agora com mais um som do Jethro Tull.

O último trabalho de composições inéditas lançado pelo Jethro Tull é J-Tull Dot Com, de 1999. Depois, o grupo colocou no mercado apenas discos ao vivo e um álbum com músicas natalinas. Tanto o flautista e cantor Ian Anderson como o guitarrista Martin Barre lançaram álbuns solo em 2003. O de Anderson, Rupis Dance, o trouxe ao Brasil dois anos mais tarde, onde se apresentou ao lado de orquestras locais. Em 2012, ele lançou a segunda parte de Tchick As A Brick, clássico do Jethro Tull, entretanto, como um álbum solo. E com o lançamento do mais recente, Homo Erraticus, Anderson decretou o fim de sua antiga banda. De acordo com ele, todos seus trabalhos posteriores serão lançados como discos solo, e que o Jethro Tull ficou para a história.